Visualização

Não há dúvida que nossos sentidos tem um grande efeito sobre nós. Uma música pode nos lembrar de situações em que sentimos certas emoções e estas imagens têm o poder de trazer essas emoções de volta.

Apesar deste processo acontecer expontâneamente, nós podemos fazer uso dele para dominar nossas emoções e para aprimorar algumas habilidades.

Visualização é a habilidade mais útil que um ninja pode ter em termos mentais. Se você consegue visualizar algo bem, você pode desenvolver todo o resto. Visualização é a habilidade básica que tem que ser exercitada.

Para visualizar algo você tem que:

  1. Ser capaz de descrever em termos concretos: Se você consegue dizer algo, descrevendo em termpos concretos (coisas palpáveis e físicas), você consegue imagina-las. Procure definir as coisas que você quer em termos de ações que você faria, coisas que aconteceriam ao invés de abstrações ou idéias vagas.
  2. Ter atenção às modalidades: Você não tem que se limitar a ver, você pode ouvir, tocar e sentir o cheiro. Caso queira aprimorar sua imaginação e não sabe como sentiria ou ouviria algo. Faça uma pesquisa, experimente e preste atenção na sensação apra poder utiliza-la em sua imaginação.
  3. Ter atenção às submodalidades: Submodalidades são os detalhes da modalidade. Se na imagem é a cor, o brilho, a sombra, o contraste, o tamanho, se está próximo ou diferente. O mesmo vale para as outras modalidades. Elas afetam como você vive a sensação. Exemplo: “imagine algo que você detesta ou adora. Aproxime de você e torne-a grande, depois afaste e diminua. Sentiu alguma diferença?”
  4. Ações encadeadas: As visualizações tem que ser encadeadas por ações. Isto facilita a imaginação e as tornam mais poderosas.
  5. Ponto de vista: Tenha cuidado com o ponto de vista. Se você imagina como vendo a cena pelo próprio ponto de vista a cena tende a ter maior impacto emocional. Quando você se vê de fora, as emoções normalmente se enfraquecem.
  6. Emoções: Tenha atenção ao que sente. Quanto mais forte a emoção, geralmente é um sinal de que a imaginação é boa.

Propósitos:

A visualização tem vários propósitos: Podemos visualizar aquilo que queremos para estimular a nossa motivação; Podemos também fazer exercícios específicos de visualização para acalmar nossos nervos e com isso vencer nossos medos; Outra possibilidade é treinar nossas técnicas mentalmente, o que é especialmente útil quando estamos lesionados; por fim, podemos com visualizações fortes e concentradas eliminar a dor e até mesmo estimular a cura corporal. Cada uma requer um exercício particular.

Exercício de Visualização para treinar técnicas:

Quando visualizamos uma ação física, as áreas do cérebro que ficam ativas são as mesmas que se ativam quando fazemos esta ação. Em outras palavras, isso significa que treinar na imaginação é próximo(pelo menos em termos de aprendizagem motora) à treinar fazendo os movimentos.

Esta é uma técnica muito poderosa e eficaz. Por isso, só pratique-a com base em movimentos que você já tem prática. Exercitar um movimento errado mentalmente é treinar para que ele saia errado. A idéia é aprender o correto e treina-lo mentalmente para que as conexões em seu cérebro o ativem corretamente mais rapidamente.

Este exercício é para ser executado em conjunto com a técnica de auto-indução do templo. O ideal é que na sua imaginação a execute dentro de seu “templo”. Pode inclusive imaginar uma parte própria do templo destinada a este exercício.

  1. Escolha a técnica que deseja treinar mentalmente
  2. Escreva de forma detalhada e concreta o transcurso de todo o movimento e o que é necessário para execução da técnica. Não deixe de incluir as sensações internas do movimento.
  3. Nos três dias seguintes, durante meia hora por dia, leia e analise várias vezes o que escreveu e descreveu a respeito do movimento. Procure memorizar o transcurso do movimento de forma bem intensa. Procure imaginar, no momento da leitura, que está realizando e executando o movimento. Se conseguir este nível de perfeição, tente obter a primeira e detalhada “análise em câmera lenta”. Observe essa “perspectiva interna” durante vários dias, durante 15 minutos, de forma bem intensa.
  4. Quando a perspectiva interna é reproduzida sem problemas, pode-se buscar os cinco ou seis pontos centrais, ou “chave”, do movimento que, de acordo com sua opinião, são determinantes para a correta execução do movimento.
    Procure mudar, no pensamento, de um ponto-chave a outro, de tal forma que a imaginação da técnica ocupe um espaço de tempo semelhante ao que é necessário na prática. Exercite até que se sinta seguro  para domina-la.
  5. Descreva e classifique os ponto-chave do movimento com palavras curtas. Apoiando-se nesses pontos, procure adaptar-se ao ritmo do movimento. Exercite o uso dessa perspectiva (não mais de 15 minutos por vez), até que ela tenha uma duranção interna semelhante à que é concretizada na execução real da técnica.
  6. Exercite mentalmente este nível em outras duas ou três sessões. Se encontrar dificuldades de imaginação do movimento, retroceda ao passo 2 ou 3, conforme a necessidade.
  7. Combine o treino mental com a execução prática. Cinco repetições práticas para cada repetição mental.
  8. Treine mentalmente sempre que puder.

Exercício de Visualização para aprimorar a técnica

Enquanto que a técnica anterior é destinada ao exercício, esta técnica é destinada à aprendizagem. Para ela, você vai precisar de um modelo ideal, alguém que você tenha visto executar a técnica com maestria.

Também é bom executa-la no seu templo.

  1. Escolha um modelo
  2. Descreva em termos concretos e sequenciais o que o modelo fez e qual foi o resultado.
  3. Imagine-se dando voltas no modelo para poder ver o movimento de todos os ângulos.
  4. Analise o movimento em câmera lenta.
  5. Quando tiver uma descrição perfeita. Imagine que você entra no corpo da pessoa e executa o mesmo movimento. Preste especial atenção na sensação corporal.
  6. Descreva e classifique os ponto-chave do movimento com palavras curtas. Apoiando-se nesses pontos, procure adaptar-se ao ritmo do movimento. Exercite o uso dessa perspectiva (não mais de 15 minutos por vez), até que ela tenha uma duranção interna semelhante à que é concretizada na execução real da técnica.
  7. Exercite mentalmente este nível em outras duas ou três sessões. Se encontrar dificuldades de imaginação do movimento, retroceda ao passo 2 ou 3, conforme a necessidade.
  8. Combine o treino mental com a execução prática. Cinco repetições práticas para cada repetição mental.

IMPORTANTE: AO COMEÇAR QUALQUER UMA DAS TÉCNICAS ANTERIORES VOCÊ DEVE FAZER O KUJI-IN “RETSU” COM ISSO VOCÊ CRIA UMA FORTE ASSOCIAÇÃO ENTRE ESTE GESTO E A CAPACIDADE DE APRIMORAR A CONEXÃO CÉREBRO-MÚSCULOS.

Exercício de visualização da hora certa no lugar certo

Este exercício deve ser precedido pelo Kuji-in “RIN”. O objetivo deste exercício não é aprimorar um movimento mas relembrar um momento de vitória ou sucesso passado e reviver a sensação e utilizar esta emoção como motivação no presente.

Esta técnica funciona para absolutamente qualquer contexto. Trabalho, técnica marcial, relacionamentos, estudo, bem estar, etc. Basta que tenha alguma lembrança qualquer da qual se orgulhe.

  1. Escolha um momento do passado que foi especialmente bom e que tenha a ver com o que pretente fazer no presente. Pode ser: uma vez que executou uma técnica corretamente, que venceu um adversário difícil, respondeu uma pergunta impossível, que correu mais que os outros, que se sentiu especialmente bem disposto ou que sentia que atraía a atenção das pessoas.
  2. Imagine-se na primeira pessoa, vendo através de seus próprios olhos. Tente recriar com o máximo de detalhes a situação. Cores, lugar, pessoas que lá estão e o que você estava fazendo.
  3. Dê especial atenção ao que você sente.
  4. Repita mentalmente a experiência. Tente torna-la mais intensa aproximando a imagem e tornando-a maior e mais clara.
  5. Quando sentir que a emoção está se tornando forte. Elogie-se a si mesmo de forma sincera, como elogiaria a outra pessoa por fazer o mesmo feito. E abra os olhos.
  6. Sempre que precisar reviver esta emoção, Inspire fundo e ao expirar relaxe os ombros como se tivesse deixado cair um casaco. Faça o Kuji-in de “Rin” e volte a imaginar a cena. A cada prática a emoção volta mais rápida e intensamente.
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Visualização

  1. Igor Hanzo disse:

    Fala Gustavo!

    Todos esses posts me faz lembrar um pensamento, que ao meu ver, é o mais importante para um ninja….

    “É preciso vencer o pior dos inimigos: a si mesmo”.

    Técnicas de mentalização de combates tem uma importancia ímpar, pois é ali que vc consegue superar o seu maior inimigo… voce mesmo.

    Por questoes culturais somos sempre tolidos de nossas capacidades fisicas e ate mesmo mentais… somos colocados em formas afim de sermos moldados para a sociedade.

    Ser ninja é muito mais do que lutar e fazer acrobacias, é sair dessas formas, não deixar que ninguem nos molde… é estar consciente que cada minuto, cada passo que damos é único em nossas vidas… é estar sempre preparado para o combate.

    Bufu-Ikkan e um pouco de samba
    Igor

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s